Google

Translate my page Google

25 de nov de 2017

Vídeo - Sofisticação tecnológica da ultima civilização


Bom documentário para refletir a partir das imagens e dados matemáticos apresentados.
Sem duvida essa ultima civilização sofreu um abalo geológico inimaginável pela mente humana. 

Seus sobreviventes tiveram que lidar com muitas dificuldades e as gerações seguintes perderam o conhecimento do passado, deixando a informação a cargo de pequenos grupos que a guardaram e a protegeram durante milênios. 

Esse grupo explorou (e explora) a ignorância dos humanos até esse nossos dias.
Mas isso está mudando, eles não podem e não conseguem mais impedir que tenhamos acesso a essas informações. 

A manipulação total está findando a cada dia. 
Consequência dessa teia global da internet - um sistema global específico de redes interconectadas como um cérebro gigantesco - com seus computadores (neurônios) recebendo e transmitindo sinais a cada milésimo de segundo pelo planeta.

Em 2014, os usuários de Internet no planeta ultrapassaram a 3 bilhões ou 43,6% da população mundial, dando prioridade a maior captação da informação aos países mais ricos.

A linguagem predominante para a comunicação na Internet foi o inglês devido ao fato da sua origem, mas isso está mudando. 

Após o inglês (27%), os idiomas mais solicitados na World Wide Web são chineses (25%), espanhol (8%), japonês (5%), português e alemão (4% cada), árabe, francês e russo ( 3% cada) e coreano (2%).

Por região, 42% dos usuários mundiais da Internet são baseados na Ásia, 24% na Europa, 14% na América do Norte, 10% na América Latina e Caribe juntos, 6% na África, 3% no meio Oriente e 1% na Austrália / Oceania. 

Estudos mais recentes indicam que em 2008, as mulheres superaram significativamente os homens na maioria dos sites de redes sociais. Além disso, as mulheres assistiram a mais conteúdo, enquanto os homens baixaram mais.

Quanto mais informação melhor 
o nível na qualidade de vida

A partir de 2012 a Islândia, Noruega, Suécia, Holanda e a Dinamarca apresentaram a maior penetração na Internet pelo número dos usuários, com 93% ou mais da população acessando a rede. 

Saber usar essa ferramenta nos abrirá novos mundos, novos caminhos e expandir o leque de escolhas para uma existência consciente e eficaz.

laura botelho

16 de nov de 2017

Vídeo - Slaughterbots - Inteligencia Artificial, drones assassinos.



"Slaughterbots"
Esta semana, aconteceu a primeira reunião do Grupo de Peritos Governamentais da Convenção sobre Armas Convencionais (CCW) que está ocorrendo nas Nações Unidas em Genebra, com uma campanha para Parar Robôs assassinos.


The Future of Life Institute, uma organização sem fins lucrativos dedicada à mitigação dos riscos existenciais colocados por tecnologias avançadas, incluindo inteligência artificial, encomendou um filme de 7 minutos criado por um grupo de acadêmicos preocupados com armas autônomas letais para sensibilizar as “Nações Unidas” a avançar na regulamentação internacional de armas autônomas.

"Slaughterbots" foi o vídeo criado para sacudir a macacada, que mais parece uma cena comum de filme de ficção – que poderia bem se chamar “Os exterminadores do presente” - parte 3

Como tudo que nos cerca carece de credibilidade da mente humana para existir, essa demonstração singela de um “presente real” está numa linha tênue entre céticos e cinderelas para despertos e atentos ao ambiente, com pensamentos do tipo: “isso nunca vai acontecer” – para – “isso já está em prática há anos e estão nos contando só agora”

Esse “futuro fictício” em que microdrones autônomos portadores de explosivos em seus componentes, matarão milhares de pessoas ao redor do mundo, seria tão viável como uma abelha que deixa seu ferrão em alguém.

Na “dramatização” de "Slaughterbots", uma empresa de ficção chamada Strato Energetics, desenvolvem microdrones do tamanho de palma da mão, armados com cargas explosivas, autônomas que usam Inteligência Artificial para caçar e matar indivíduos ou grupos de pessoas com base em características específicas.

O instituto The Future of Life é apoiado pelos célebres Elon Musk e Stephen Hawking, entre outros que trabalham para parar robôs assassinos e pedir uma proibição preventiva de armas autônomas letais...

Fala sério? Você acredita mesmo nisso?
Parar uma ideia que já nasceu pronta com essa finalidade? Que país não usará essa ou outra modalidade tecnológica para exterminar os seres humanos com eficiência? Como “regulamentar” um brinquedinho desses que pode ser adquirido por qualquer menino de 9 anos?

Temos armas de todos os tipos que não vem a público por se tratarem de ferramentas de trabalho dos negativos de plantão. Há muita coisa bizarra acontecendo e vejo nitidamente como eles estão conduzindo a coisa. Tanto, que escrevi o livro “Robota, do Gênesis ao fim da humanidade

Estamos perdendo rapidamente a noção dos avanços tecnológicos que mudarão sensivelmente a raça humana. Estamos nesse momento da Singularidade, meio robô e meio idiota.

Espero que as pessoas acordem desse transe rapidamente, do contrário, nem bem robô, nem bem idiota, mas uma alma aprisonada por mais 2 mil anos...


laura botelho





10 de nov de 2017

Transgêneros, mudanças para uma dimensão desconhecida


"O sucesso é fazer o que você quer fazer,
quando quiser, onde quiser,
com quem quiser,
tanto quanto você quiser".
Anthony Robbins

Um médico de família inglês, Ronald Gibson, iniciou uma conferência sobre conflitos de gerações, recitando quatro citações:

  1. "Nossa juventude gosta de luxo e é pobremente educada, ignora as autoridades e não tem respeito pelos idosos. Atualmente, nossos filhos são verdadeiros tiranos. Eles não se levantam quando uma pessoa idosa entra. Eles respondem aos pais e são simplesmente ruins"
  2. "Eu não tenho mais esperança no futuro do nosso país, se os jovens de hoje assumirem o poder amanhã, porque essa juventude é insuportável, por vezes desenfreada, simplesmente horrível"
  3. "Nosso mundo atingiu um ponto crítico. As crianças já não ouvem seus pais. O fim do mundo não pode estar muito longe ".
  4. "Esta juventude está estragada até o fundo de seu coração. Muitos jovens são malfeitores e ociosos. Eles nunca serão como a juventude de antes. A juventude de hoje não será capaz de manter nossa cultura ".

Depois de declarar essas quatro opiniões, o Dr. Gibson observou o quanto da aprovação fez a plateia vibrar. Ele esperou por alguns momentos para os murmúrios acamarem, comentando sobre a declaração e, em seguida, revelou a origem das frases acima:

A primeira frase é Sócrates (470-399 aC)
A segunda é ainda mais antiga, Hesíodo (720 aC)
A terceira remonta a um sacerdote anônimo de 2.000 aC.
A quarta frase foi escrita em um vaso de argila descoberta nas ruínas da Babilônia (agora Bagdá), com mais de 4.000 anos de existência.

E concluiu dizendo: "Senhoras mães e pais cavalheiros: relaxem ... a coisa sempre foi assim...

Então por que estamos tão apavorados com o futuro da humanidade? 

Afinal, as civilizações são cíclicas e parecem se repetir como um disco arranhado.

Os milenares
Os autores William Strauss e Neil Howe são autores de livros como: A História do Futuro da América, 1584 a 2069 (1991) e Millennials Rising: The Next Great Generation (2000).

Millennials” foi a melhor definição encontrada para muitos pesquisadores que não aderiram o termo “Geração Y” – também chamados, às vezes, de Echo Boomers devido ao aumento significativo nas taxas de natalidade desde o início da década de 1980 até meados da década de 1990.

Características indicam que os Millenares têm um perfil com ambições de vida e carreira, e atitudes voltadas ao voluntariado e ao ativismo.

Tendo crescido sendo bombardeado por publicidade, os milenaristas tendem a ser céticos quanto a material promocional de qualquer tipo. Seja comprando produtos e serviços ou considerando o emprego, os milênios são mais propensos a ouvir seus amigos do que serem afetados pelo material de marketing ou de relações públicas.

Essa característica faz com que as práticas convencionais de marketing e contratação de empregados sejam muitas vezes ineficazes para os Millennials.

Essa geração e sua convivência com as mídias sociais ajuda muito aos “convictos” em sua autopromoção, mas paradoxalmente, muitas vezes resulta em problemas “gástricos” para outros, quando estão em desvantagens emocionais, se frustrando facilmente e constantemente ao se deparar com imagens postadas na internet - o que os leva crer sem questionamentos - que a “grama do vizinho está sempre melhor” que a sua.



Os autores William Strauss e Neil Howe acreditam que cada geração tem características comuns que lhe conferem um caráter específico com quatro arquétipos geracionais básicos, repetindo-se em um ciclo.

Cerca de 9 em cada 10 Milenários colocam uma importância significativa no equilíbrio entre o trabalho e a vida pessoal, que favorecem valores familiares sobre os valores corporativos, bem contrastante com a atitude centrada no trabalho dos Baby Boomers (minha geração)

Verificou-se que essa geração reflete uma tendência onde até mesmo em esportes competitivos, a mera participação já é suficiente, recompensador, o que criou um problema para os ambientes corporativos altamente competitivos.

Alguns empregadores estão preocupados com o fato de que Millennials troquem de emprego com frequência, ocupando muito mais empregos que as gerações passadas, devido às suas grandes expectativas quanto a sua qualidade de vida, o que não abrem mão.

A revista Time publicou uma capa intitulada Millennials: The Me(eu) Me(eu) Me(eu) Generation – “Geração mememe” - Uma alusão a sua condição narcisista.

Outros pesquisadores atribuíram aos Millennials traços de confiança e tolerância, mas também descreve um senso de narcisismo, em comparação com as gerações anteriores -  quando eram adolescentes e em seus 20 poucos anos - onde hoje os seres masculinos se exibem mais e com maior ênfase em média do que os seres femininos.

As pesquisas do Instituto Urbano realizadas em 2014 nos USA, projetaram que, se as tendências atuais continuarem, os milênios terão uma menor taxa de casamento em relação às gerações anteriores, prevendo que, aos 40 anos, 30,7% das mulheres permanecerão solteiras. Os dados mostraram tendências semelhantes para os homens.

Um estudo de 2016 mostrou que os Millennials atrasaram algumas atividades consideradas ritos de passagem da idade adulta com dados que mostram que adultos jovens de 18 a 34 anos foram mais propensos a morar com pais do que com um parceiro de relacionamento, uma ocorrência sem precedentes desde que a coleta de dados começou em 1880.

Um economista sênior da Pew Research, disse sobre Millennials:
"eles são o grupo muito mais propensos a viver com seus pais. Estão se concentrando mais na escola, carreiras e trabalho e menos focados na formação de novas famílias, cônjuges ou parceiros e filhos

Menos religião
Os Millennials são menos propensos a serem religiosos. Existe uma tendência para a não religião que vem aumentando desde a década de 1940.

Mais de metade dos milenaristas entrevistados no Reino Unido em 2013 disseram que "não tinham religião nem frequentavam um lugar de culto", além de um casamento ou um funeral.

A pesquisa também descobriu que 41% acreditava que a religião era "a causa do mal" no mundo mais frequentemente do que o bem.

Sem dúvida, é uma geração que busca mais informação que as gerações passadas. O que destaca uma quebra fantástica no modelo orwelliano na condução de suas vidas. Precisamos nos livrar do grande irmão.

Na visão das perspectivas econômicas, cerca de 9 em cada 10 Millennials sentem que têm dinheiro suficiente ou que atingirem seus objetivos financeiros de longo prazo, mesmo durante os tempos econômicos difíceis

Além disso, Millennials também são mais abertos às mudanças do que as gerações anteriores, o que lhes dão vantagens em muitos aspectos, inclusive na manutenção de sua saúde.


Trans – formas, Trans – humanos
O casal trans gênero que vive no Equador fez história, porque eles são o primeiro casal trans gênero na América do Sul a ter um filho gerado por eles. Nenhum dos dois fez cirurgia de reatribuição de gênero, de acordo com a BBC.

Fernando Machado, que nasceu uma mulher (Maria), e a parceira Diane Rodríguez, que nasceu um homem (Luiz), disseram que querem ter mais filhos. Eles se conheceram no Facebook e Fernando (Maria) ficou grávida depois de viverem juntos por apenas três semanas.

"Nós somos o mesmo que outras famílias. Mesmo que possamos não ter os mesmos direitos, somos os mesmos ", disse Machado à BBC. O bebê é agora chamado de Caraote ou o Caracol.

A estimativa é que na Alemanha haja aproximadamente 80.000 intersexuais, pouco menos de 1% da população, mas que tiveram voz nesse ano para mudar algumas coisas.

O Tribunal Constitucional da Alemanha nesta semana, solicitou ao governo que permita na certidão de nascimento o registro de pessoas com um terceiro sexo (seja como “intersexual” ou “diverso”), além de feminino e masculino.

A sentença baseou-se no direito constitucional alemão à proteção da personalidade, que as pessoas que não são nem homens nem mulheres têm direito a inscrever sua identidade de gênero de forma “positiva” na certidão de nascimento.

A reforma legal de 2013, que seguia a recomendação do Comitê Ético Alemão, estabelecia que:

 “Se um bebê não pode ser identificado como pertencente ao gênero masculino ou feminino, não será preenchida a seção correspondente no registro de nascimento”.

Ser um transgênero ou intersexo independe da sua orientação sexual.
Seres trans podem se identificar como heterossexuais, homossexuais, bissexuais, assexuados, etc. ou se recusarem a serem rotulados sexualmente.

Como a definição dos Anjos, eles podem ser simultaneamente masculinos e femininos (andróginos), o que nunca foi problema para o pensamento de qualquer dogma religioso.



Hormônios e cirurgia.
A cirurgia não é necessariamente necessária para ser trans. Pode-se tomar injeções hormonais diárias específicas para qualquer gênero, além do mais as mudanças que ocorrem durante o processo de transição não são apenas físicas.

Não existe um único tipo de cirurgia que alguém possa optar. Por exemplo, aqueles que transicionam para mulheres podem sofrer uma orquiectomia (que é a remoção de testículos) ou uma vaginoplastia completa (uma cirurgia que essencialmente "cria" uma vagina)

De acordo com uma entrevista em Cosmopolitan, uma mulher trans (referida apenas como "Mulher C") afirmou que ela não tem certeza se ela realmente irá cumprir com toda a transformação. Ela vê isso como "um processo sem fim".

Eu vejo que os seres trans gêneros embarcam em mais do que apenas uma jornada física e emocional, eles estão atravessando um portal dimensional, confuso, estreito e pouco iluminado nesse momento.

Para mim a expressão que melhor descreve essa experiência trans humana é; vivendo em outra dimensão. Como num sonho gostoso ou num pesadelo, não temos certeza da realidade, apenas estamos navegando nele sem muito controle sem sabermos se uma hora iremos acordar.

Neste momento da nossa era, as imagens que conhecíamos não fazem mais sentido, estão distorcidas, pouco nítidas, algumas vezes bizarras, mas... são experiências que nos levarão a um evento futuro de tal grandeza que não poderemos mais “despertar”.

O fim de uma civilização é brutalmente ceifada, quando menos se espera.
A erupção do vulcão de Santorini há 10 mil anos proporcionou o ocaso da civilização minóica em Creta.

O vulcanólogo grego Giorgos Vugiukalakis disse que o episódio da erupção do Santorini causou 3 anos de "inverno vulcânico" nos quais tudo estava coberto por cinzas, a temperatura na Terra chegou a 3ºC ao ano e as ondas marinhas tinham uma altura de 17 a 20 metros.

Acredita-se que o evento inesperado e a pouca adaptação das mudanças comportamentais a época levaram a derrocada de mais essa era.


Isso porque, as mudanças comportamentais são tão dramáticas, tão avassaladoras que para os que não estavam preparados para essa transição são pegos com as calças (ou saias?) ainda nos pés e não sobra muito tempo para pensar se termina de se vestir ou se sai correndo...

Aristóteles já dizia que: “Há mudanças e há mudanças”.
Ele acreditava que todas as transformações na natureza podiam ser classificadas como “naturais ou violentas”.

A forma natural é aquela que nos impulsiona para a vida, aquela que não nos causam nenhuma surpresa, o que nos parece seguir um destino. Mas por vezes, há um movimento brusco de mudança imposto por alguma coisa externa. Na mudança violenta algo se move de maneira desordenada a violar a natureza interna.

Estudos indicam que ambientes violentos geram mudanças internas na estrutura celular, reprogramam o DNA. Mas isso é um assunto muito difundido aqui nos meus textos nesse meu BLOG, não irei revitá-lo agora.

E como sempre alerto, prepare-se para as mudanças e “as mudanças”, prepare-se para outras dimensões, o portal já foi aberto.

Laura botelho

Cenas de uma cantina no filme Star Wars 1977 - te parece mais familiar?





7 de nov de 2017

Depopulação. Talvez em menos de 8 anos?


É difícil não dar atenção aos inúmeros avisos que estão bem diante da nossa cara.
Não se trata de querer "ver" pelo em ovo, mas estou vendo! Fazer o que?! E esse "pelo" estranho no "ovo" que estou vendo não é algo normal.

Planta Nuclear de Chernobyl - 1986
Chamo isso de sinal - um movimento diferente do habitual que merece minha atenção e no caso, dividirei minha percepção aqui. Se você não enxergar o pelo, nem o ovo... esquece, muda de canal, sua percepção para semiótica é péssima.

Deslocalização
Pesquisas sobre desastres ambientais anteriores mostraram que a separação da família e a deslocalização de seu habitat, elevam o risco de problemas de saúde mental pós-desastres.

A investigação sobre os efeitos do deslocamento sobre os resultados de saúde mental indicou que as pessoas deslocadas pioram a saúde mental do que os grupos que não foram deslocados internamente (deslocadas no seu próprio país). Refugiados reassentados em outros países são muito afetados em sua saúde mental.

Depois que o Cyclone Tracy devastou a comunidade de Darwin, Austrália, um estudo de sobreviventes descobriu que os evacuados que não retornaram à comunidade no prazo de 1 ano apresentaram sintomas fortes de depressão e preocupação, do que os indivíduos que saíram, mas retornaram a suas terras, e daqueles que se recusaram sair durante o desastre.

Em uma revisão recente da literatura de deslocamento, os autores sugeriram que os efeitos negativos da deslocalização forçada são em grande parte decorrentes da perda de laços sociais e dos sistemas de apoio.

A resiliência é provavelmente a observação mais comum após um desastre. Além disso, os efeitos de eventos traumáticos nem sempre são ruins.

A maioria dos sobreviventes a um evento terrível que foram preparados para isso, descreveram resultados positivos: de que aprenderam que poderiam lidar com crises de forma eficaz e sentiram que estavam melhores por terem enfrentado esse tipo de desafio.

Bem orientados, o desastre também pode aproximar uma comunidade ou reorientar um indivíduo para novas prioridades, objetivos ou valores.

Os efeitos emocionais após desastres naturais não parecem mais detectáveis ​​em comparação com as populações de controle após cerca de dois anos, enquanto vários estudos mostraram que os efeitos de eventos causados ​​pelo homem (terrorismo) podem ser muito mais prolongados (Green & Lindy, 1994) (From Disaster Mental Health Response Manual, página 44). 

Acidente nuclear em Chernobyl - Aconteceu há 31 anos – em 26 de abril de 1986.
Trinta trabalhadores da limpeza foram mortos durante, ou logo após o acidente, onde um reator nuclear na cidade de Chernobyl, na Ucrânia, explodiu

Esse acontecimento é um dos dois únicos acidentes de energia nuclear (até esse momento que escrevo) classificados como um evento de nível 7 - classificação máxima na Escala Internacional de Eventos Nucleares - o outro acidente foi o recente em Fukushima, março de 2011.

Cerca de 350 mil pessoas foram evacuadas da área ao redor da planta de Chernobyl.

E hoje mais de 2.500km2 de terra em torno de Chernobyl permanecem "oficialmente inabitáveis", uma zona quente radioativa por milhares de anos.

Porém, cerca de 100 pessoas insistem em viver lá.
Eles são os últimos remanescentes de mais de 1.000 mulheres mais idosas que voltaram para a zona de exclusão nas semanas e meses após o desastre.

As idosas querendo voltar para suas terras, não encontraram resistência dos funcionários do governo para impedi-las, ao contrário, concordaram:

Vamos deixar as pessoas mais velhas voltarem para casa. Eles morrerão em breve, mas serão felizes


E com isso, se passaram 30 anos...
Muitos sobreviveram à fome de Stalin, às atrocidades dos nazistas e a todas as dificuldades da Segunda Guerra Mundial e agora, não estavam dispostos a fugir em face de um inimigo que era invisível - a radiação nuclear.

Eles foram atraídos por uma conexão muito profunda com a pátria e a casa. Ambiente onde seus pais nasceram e morreram, onde seus filhos cresceram, suas histórias, onde estavam seus jardins e animais. 

A ONU estimou que a radiação do desastre acabaria por matar talvez 9 mil pessoas ou mais, mas não foi bem assim que aconteceu.

Trauma da deslocalização
Muitos morreram há 30 anos atrás, mas estes foram justamente os que viveram na zona de exclusão, dentro das cidades e confinados em apartamentos oferecidos pelo Estado, longe de suas casas e suas vidas do campo.


Ao chegar em casa, ao estar na sua pátria nas casas em que vivem suas vidas, eles evitaram sofrer o trauma dos povos realçados em todos os lugares. As pessoas deslocadas sofrem níveis mais altos de alcoolismo, desemprego e - muito importante neste caso - círculos sociais interrompidos.

Então, ao permanecer na zona em que conhecem e sempre viveram, evitaram os efeitos prejudiciais do trauma de deslocalização

O conflito de informações na área de Chernobyl desnorteia aqueles que por um lado verificam seu contador Geiger avisando que estão em alerta vermelho em termos de contaminação radioativa, e por outro lado, seguindo a estrada, ao longo do passeio, avistam arvores, pássaros, animais e um ambiente lindo e bucólico como deveria ser.

Um relatório de pesquisadores da AIEA (International Atomic Energy Agency) sobre a saúde pós evento, chamou atenção para os riscos para a saúde mental, a partir de medos exagerados sobre os efeitos da radiação.

Usaram a designação da população afetada como “vítimas", em vez de "sobreviventes", do momento que perceberam como indefesos, fracos e sem controle sobre o futuro essa população estava.

A AIEA afirmou que isso pode ter levado a um comportamento que causou novos efeitos na saúde e não necessariamente a radiação ambiente.

Apenas 7 anos para as mudanças radicais?
Você está pronto?

Uma visão para o ano 2025 do site

Nesse link os dados estatísticos estão baseados em um espaço de apenas 8 anos - não se sabe em que parâmetro específico construíram esses dados – onde apontam que a população chinesa e indiana aumentará ligeiramente.

A população russa perde milhões de pessoas, mas permanece relativamente estável. A população brasileira aumenta.


O que chama muita atenção é que os EUA é o único país que tem uma queda significativa e alarmante de sua população, bem como o Reino Unido.

França e Itália mostram grandes quedas. A Alemanha mostra pouca queda de habitantes. Seria por conta da invasão Muçulmana?

Nota resumida do site sobre essas revelações acima:

Este site é um ambiente de dados Norte Americano, que oferece arquivos e dados estatísticos de amplitude mundial sobre vários aspectos como; aviação civil e militar, armamento e exércitos, mísseis e munição, tecnologia militar e aeroespacial e outros dados estratégicos e econômicos de alguns países, mas nem todos.

A maioria dos dados econômicos e demográficos utilizados na elaboração das previsões está amplamente disponível por instituições como a CIA, FMI, ONU, USG, etc.

Há vários anos Dagong, a agência de classificação chinesa, publicou um relatório analisando a economia física dos estados comparando-o com os da China, Alemanha e Japão.

A conclusão foi que o PIB norte-americano é algo entre US $ 5 a US $ 10 trilhões em vez dos US $ 15 trilhões, conforme informado oficialmente pelo USG. Historicamente, é sabido que a antiga União Soviética estava inventando estatísticas falsas anos antes do colapso.

Nenhuma guerra pandêmica ou nuclear está incluída nessa previsão.
O elemento-chave para entender o processo de diminuição de população nos EUA para a próxima década chama-se: migração.

No passado, especialmente no século 20, o fator chave que permitiu que os EUA subissem ao seu status de colosso foi a imigração com os benefícios de uma expansão demográfica, incluindo a captação de cérebros (Alemanha nazista) do resto do mundo beneficiando os Estados Unidos.

Vemos uma parte significativa da população americana migrando para a América Latina e Ásia, enquanto a migração para a Europa - sofrendo uma doença similar

No entanto, o número de mortos será horrível.
A crise demográfica atingirá o mundo no futuro próximo e deverá durar entre 3 e 8 décadas, mais ou menos, dependendo dos avanços tecnológicos e questões ambientais.

Os países preveem que os números das populações refletem o nascimento/óbitos, mas também os movimentos migratórios. Muitos países vão aumentar sua população bruta devido à imigração, enquanto sua população nativa pode encolher.



Ao longo dos últimos dois mil anos, testemunhamos a civilização ocidental construída em torno do Mar Mediterrâneo se deslocando para o norte da Europa e, em meados do século 20, mudando para um eixo atlântico para finalmente se concentrar nos Estados Unidas nos últimos anos.

O próximo movimento verá a civilização centrada na Ásia com a Rússia e a China no topo.

Historicamente, uma mudança no paradigma econômico resultou em um número elevado de mortos – o que raramente é destacado pelos historiadores.

Quando a transição das áreas rurais para as grandes cidades aconteceu na Europa, muitas pessoas incapazes de aceitar o novo paradigma se mataram Um fator psicológico, não convencional, mas real.

Este site é sem fins lucrativos, construído em tempo livre que fornece informações e serviços. Não estão vinculados a nenhum governo. Não são ligados a um culto de morte ou satânico ou comerciantes de armas. Domingo, 26 de outubro de 2014.

Não entendeu nada? Tem que desenhar? 
Tudo bem, deixa pra lá... 

laura botelho



31 de out de 2017

Dr. David Jacobs alerta sobre os planos estranhos dos Aliens


Essa entrevista em vídeo postada abaixo desse texto com Dr. David Jacobs - um perito em estudo de abduções na nossa era, pois não há outros pesquisadores nesse nível de entendimento sobre o tema até agora – nos leva um alerta pontual: As coisas vão ficar tensas daqui pra frente.


Em uma passagem da entrevista, Dr. Jacobs diz “sentir pena do futuro de seus próprios filhos”...

Eu não publiquei essa entrevista feita ainda esse ano no mês de março, porque estava aguardando um momento “apropriado” - e esse momento é agora.

Quem conhece meu trabalho e acompanha meus pensamentos sobre “aliens” e “evolução espiritual” sabe que eu martelo aqui nesse BLOG, em minhas postagens, que eu não acredito em “canalizações”, mensagens de aliens benevolentes que querem salvar os humanos deles mesmos...

Pelas minhas pesquisas de anos, minhas leituras diárias, esses ditos “contatos” com seres de “Confederações”, de Naves que virão nos resgatar de algum desastre iminente, não faz o menor sentido.

É como crer que se você rezar muito na hora de um evento dramático, seu deus vai salvar você, vai livrar você dessa dor, somente você, pois o restante dos humanos no planeta Terra, não terão essa sorte.

Pessoas que dizem ter contatos diários com aliens de qualquer espécie, estão querendo atenção, desejam se sentir especiais, querem que as pessoas acreditem que “eles” o escolheram para guiar a humanidade, como um Moisés.

Presta atenção: o que vem acontecendo ao longo dos anos é muito sério, é muito bizarro e foge a nossa limitada compreensão e Dr. Jacobs nos dá uma “visão” do que virá pela frente.

O entrevistador do Dr. Jacobs é Alcione Giacomitti, escritor, CEO das Empresas - Conferência Global 21 minutos & Terra Inca Viagens de Conhecimento e Introspecção.

Giacomitti fez um belo trabalho nessa entrevista, formulando perguntas certeiras ao Dr. Jacobs o compelindo a nos “contar coisas” que talvez não fossem ditas se não fossem questionadas naquele momento.

A entrevista é muito boa e vai fazer você “rebobinar a fita”, rever algumas crenças que o impede de crescer e evoluir.

laura botelho
Mais informações sobre meu Workshop está nesse meu outro BLOG
 http://laurabotelhoquantica.blogspot.com.br/2017/10/workshop-com-laura-botelho-rio-de.html 


A entrevista com Dr. Jacobs começa aos 15 min desse vídeo, caso tenha pressa.

25 de out de 2017

Video - Cientistas alertam para o extermínio em massa dos seres vivos na Terra


Esse vídeo que trago novamente aqui, é de 2014, mas na época em que foi publicado na nossa língua, não causava o impacto necessário na mente dos brasileiros ou dos demais no globo terrestre, como agora que as coisas estão ficando mais "bizarras" e de fácil constatação.

Eu chamo atenção para esses assuntos desde que abri esse BLOG em 2009 -  e acredito ter mudado a percepção da experiência de viver de algumas poucas pessoas - de alguns desejosos de entender o mecanismo evolutivo básico dessa engenharia genética, a que fomos encapsulados - para despertar e assumir o controle da nossa energia que é infinita. 

A morte, a aniquilação, 
a exterminação das almas humanas, 
não existe. 

A Ciência deixa claro quanto a isso, quando afirma que não é possível destruir a energia, apenas canaliza-la, modifica-la ou aprisioná-la. 

Somos seres de energia - informação - portanto, o que torna totalmente dispensável esse casulo de carbono - nosso corpo para fins de "existir".

Você não vai "desaparecer" do mapa, apenas irá se transportar para sua realidade, seja ela qual for. 

Quando você quer assistir um filme para se distrair, que tema vem a sua mente? 
Terror? Ficção? Romance? Filosófico? Aventura? Ação (guerras, conspirações etc)?

Perceba que sua "existência" se resumirá a projeção de suas escolhas, do "filme" que se identifica.

Comece a se mexer. Está na hora de produzir seu roteiro, começar a montar o cenário, pois temos muito pouco tempo para "encarnar" esse novo papel. Precisa de treino e dedicação e acima de tudo, começar já!

laura botelho




meus livros

meus livros
Click na imagem para comprar

Vulcões ativos